19.5.15

Dica de Leitura + Apresentação do Resenhista Novo (um nerd legal): O Muro

Autores: Fraipont & Bailly
Editora: Nemo
ISBN: 9788582861639
Ano: 2015 
Páginas: 192
Classificação:  (Excelente)  
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Livraria Cultura 

 Hm... Devo começar me apresentando formalmente, certo? Então vamos lá!

Meu nome é Tico Menezes, tenho 22 anos, paulista, colecionador de quadrinhos, leitor voraz, roteirista de curtas-metragens bem ruins, o orgulhoso dono do título de “Dois Anos Sem Beber Refrigerante”, crítico de literatura, cinema e televisão há alguns anos, defensor ferrenho das obras de John Green, fã abobado e eternamente deslumbrado do universo de Harry Potter, ator ainda pior dos já citados curtas-metragens ruins, aficionado por Star Trek – a ponto de ter uma camiseta da Frota Estelar com o meu sobrenome, sim, bobão a esse ponto –, defensor de distopias, poeta que vê poesia num muro pichado, autor de contos e crônicas sobre assuntos completamente aleatórios, achei o final de Jogos Vorazes muito bom e ainda ouso gostar de Divergente – risos, mas é sério –, rato de biblioteca que fica procurando livros que ninguém conhece e que, quando acha esses livros, se sente o dono deles por direito, admirador da cultura brasileira, o garoto que corre de moletom no parque num calor de 36 graus ouvindo Beatles, The Cure e A Banda Mais Bonita da Cidade, professor de inglês, o amigo que dá livros de presente – mas adora recebê-los também, tá? –, invejo muito quem sabe desenhar, adoro filmes que costumam deixar as pessoas revoltadas ou confusas, assim como adoro filmes indie que ninguém conhece ou acha “esquisito e chato”, compro livros mesmo tendo uma fila imensa me esperando na prateleira, não vejo problema em gostar de um clichê ou outro de vez em quando, vejo o mundo com olhos de criança, pois como uma pessoa muito sábia um dia disse sobre mim “O Tico dormiu com 10 anos e acordou com 20”, dono de um cachorro chamado Milo, “talvez você diga que eu sou um sonhador, mas não sou o único”, amo aprender com clássicos da literatura, da música e do cinema, meu cérebro é muito bom em guardar curiosidade inúteis, falo demais e, ah... E sou o novo resenhista do Desejo Adolescente!
Vamos à primeira resenha?

Rosie, 13 anos, viu a mãe fugir com outro homem, vê o pai descontando a frustração no trabalho, fica sozinha o dia inteiro, tem uma melhor amiga que parece cada dia mais distante, sente-se solitária, tem pensamentos melancólicos, não aguenta mais sua rotina vazia, mas não sabe o que fazer para mudar. Ambientado na Bélgica de 1988 e ao som de muita música punk-rock, essa poesia urbana é poderosíssima.

Afinal, o que fazer para mudar?

Essa é a grande questão que “O Muro” – roteiro de Céline Fraipont e arte de Pierre Bailly – trabalha em suas 190 páginas em preto e branco. E na boa? É incrível como os autores trabalham a confusão de Rosie, encontrando sensibilidade num mundo frio, honestidade em meio a pessoas hipócritas, sorrisos em meio a dor.

A HQ me lembrou muito filmes indie adolescentes por causa de sua inventividade em lidar com o vazio que, hora ou outra, todos sentimos. E quando falo da honestidade do roteiro, me refiro às pequenas crueldades da vida e a forma como Rosie e os outros personagens reagem a elas. Por exemplo, um pré-adolescente que descobre o quão inapropriados são palavrões numa mesa de jantar, xingamentos horríveis que se tornam mais frequentes que vírgulas em suas bocas, a negligência de um pai que trabalha demais, a curiosidade em descobrir o que há de tão divertido numa bebida alcóolica ou em cigarros, os pensamentos que nos assolam quando nos deitamos no travesseiro.

Ao terminar de ler “O Muro”, alguns leitores – talvez a maioria – terão bem claro em suas cabeças o que fariam e o que não fariam se passassem pelas mesmas situações, e é justamente nesse momento que percebemos o quanto somos perspicazes para com os outros e o pouco que sabemos sobre nós mesmos. Sabe aquela coisa de “tenho conselhos maravilhosos e consigo ajudar todos os meus amigos, mas não sei o que fazer com a minha vida”? Então, Rosie é uma dessas amigas que têm um problema que nós conseguiríamos resolver com facilidade, mas, ao nos colocarmos no lugar dela, entendemos que nada é tão simples assim, nada é tão preto no branco – com o perdão da ironia, afinal, a HQ é em preto e branco... Ah, vocês entenderam a piada!
A arte de Pierre Bailly é linda, há um jogo que o desenhista faz com as sombras que torna tudo mais sutil, sem perder a profundidade dos sentimentos de cada personagem. A trilha sonora – sim, há uma trilha sonora seeeensacional que rola durante a história – apresenta nomes como “The Cure”, “Ramones” e “Sonic Youth” e, uau, como ilustram bem as passagens. Páginas e mais páginas sem diálogos, cheias de significado sobre maturidade, perda, descoberta, dor, força e sobre a vida e o desafio de viver um dia após o outro.

Intenso, cru e reflexivo, este trabalho não passa despercebido e fica conosco um bom tempo após a última página ser virada, como um bom livro deve fazer. E o mais gratificante é saber que é o primeiro trabalho dos autores, que podemos ser surpreendidos por eles a qualquer momento com algo ainda mais belo. Mas, pensando bem, mesmo que não haja algo novo deles, “O Muro” é para se ler, reler e ler mais uma vez, pois sempre será uma experiência nova. Essa é a magia da literatura – “Quadrinho é literatura, sim!” Disse Tico aos velhos chatos –, é subjetiva e muda conforme os leitores mudam. 

Agradeço de coração pela oportunidade de indicar leituras aqui no Desejo Adolescente e estou aberto a sugestões e críticas, prometo respondê-las com entusiasmo e um sorrisão no rosto, reconhecendo o valor de cada opinião. Mas se quiserem falar bem também pode – mais risos, e novamente, é sério. 
Fiquem bem SEMPRE!

Comente com o Facebook:

Comente

Deixe um recadinho com amor e será retribuído <3

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Desejo Adolescente - 2016. Todos os direitos reservados. Design e programação: Folks Creative Studio. imagem-logo