12.10.16

Tempo de cicatrização


Há pessoas que morrem sem precisar retirar o dente do siso. Eu não fui uma dessas pessoas, nunca fui mesmo sortuda. Logo, em meio a dores fortes, descobri que teria de fazer essa pequena e terrível cirurgia. As pessoas me falavam que doía e que era uma sensação péssima. Chegou o dia e eu estava tão assustada a ponto de desistir, o que não pude fazer, pois tinha conseguido uma vaga em dentista público – o que era praticamente um milagre. Durante a cirurgia, eu esperava apenas o momento de morrer de dor. E até houve. Quando o dente é extraído rola uma sensação de desespero. Sangra, sangra, sangra. O dentista diz que já está acabando, e depois de quarenta longos minutos, acaba. Achei que ali seria o final da minha história com o dente do siso, mas não foi. A recuperação é que dói mesmo. Pelo menos pra mim, foram as piores semanas que se seguiram na minha vida. Era horrível. Eu não conseguia comer, o que eu gosto muito de fazer. Também não conseguia escovar direito os meus dentes, o que eu também adoro fazer. Nem falar direito eu conseguia, outra coisa que eu aprecio poder fazer. O que me deixou mesmo desesperada foi o fato de muita gente começar a falar que eu era um pouco mole, sabe? Passou a primeira semana e nada de melhorar, a segunda já acabando e eu ainda sentia muita dor. Nada melhorava. E depois de compartilhar meu sofrimento nas redes sociais (a gente sempre compartilha, né? Até coisa ruim...), uma amiga me jogou a realidade: cada um tem seu próprio tempo de cicatrização. E assim, eu me tranquilizei.

Nós temos uma mania feia de comparar nós mesmos com os outros. Durante aquele período, eu só conseguia pensar em coisas como: “Fulano arrancou os quatro de uma vez e se recuperou rapidinho”. Problema do fulano. O meu tempo era outro, e eu precisava respeitá-lo. E parei para pensar, é assim em tudo na nossa vida. Quando terminamos um relacionamento amoroso, por exemplo, tem gente que se recupera rapidinho e outras pessoas demoram meses. Ou então quando nos decepcionamos com uma amizade, ou perdemos um emprego, ou simplesmente quando fazemos uma pequena cirurgia. Não adianta querer acelerar as coisas. O nosso corpo e a nossa mente tem um período único para a cicatrização dessas feridas, cada ser é diferente.

E assim, depois de uma cirurgia que me deixou de cama por duas semanas e choramingando pelos cantos por mais duas, foi que eu entendi que sou assim mesmo, mole, e preciso de um longo tempo para cicatrizar minhas feridas, emocional ou física, sempre devagar, no meu próprio tempo.


Acompanhe nas redes sociais
Snapchat: CAMILAMABELOOP

Comente com o Facebook:

2 Comentários

  1. Olá Camila!
    Concordo com o que você disse, cada pessoa tem seu tempo de cicatrização e com certeza cada pessoa passa por uma situação de uma maneira diferente. Não adianta a gente muitas vezes querer sentir como o outro em diversos aspectos. Somos todos diferentes e o sentimento dos outros não deve ser menosprezado por ser diferente do nosso. Espero que você termine de se recuperar logo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Que texto maravilhoso Camila,concordo muito com o que você disse,cada um tem seu tempo para se recuperar,não podemos comparar,cada ser é de um jeito e temos que respeitar isso.Amei!
    http://juniaqueiroz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe um recadinho com amor e será retribuído <3

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Desejo Adolescente - 2016. Todos os direitos reservados. Design e programação: Folks Creative Studio. imagem-logo